Ted Bundy

· Nascimento e Infância
Theodore Robert Cowell nasceu no dia 24 de novembro de 1946 em Burlington, Vermont, EUA. Enquanto criança, passou uma parte da infância na casa de seus avós que eram pais adotivos do menino até se mudar com sua mãe, que nos conhecimentos de Ted era sua irmã mais velha, após a mesma se casar com seu padrasto ao qual herdou o sobrenome Bundy. Apesar de presenciar casos de violência doméstica onde seu avô agredia sua avó, Bundy não gostou de ter se mudado para longe deles.
Ted em sua adolescência foi descrito como um jovem quieto e um ótimo aluno. Segundo seus familiares, Ted era um menino bondoso e prestativo que ajudou sua mãe a cuidar dos seus outros quatro irmãos mais novos. Só em sua vida adulta descobriu ser o filho bastardo após encontrar uma cópia de sua certidão com o registro de pai desconhecido, tal descoberta deixou Bundy ainda mais introspectivo.

· Vida Adulta
Por ser considerado um bom aluno desde a infância, Ted não teve dificuldade para entrar na faculdade, ingressou no curso de psicologia por um breve tempo até largar o curso para estudar política. Na mesma época, Ted Bundy conheceu Elizabeth Kloepfer, seu grande amor, tornando-se até mesmo uma figura paterna para a filha de Elizabeth. No entanto, o relacionamento chegou ao fim e logo em seguida iniciou outro breve relacionamento além de começar a estudar direito.

Ted Bundy headshot
State Archives of Florida, Florida Memory


· Crimes
Não se sabe ao certo com quantos anos, nem quando os crimes começaram e muito menos o número concreto de vítimas feitas por Ted Bundy. Antes de sua condenação foram confessados mais de trinta assassinatos de jovens em sete estados diferentes em um período de quatro anos. Entretanto, estima-se se tratar de um número ainda maior.
A maioria das vítimas eram mulheres de cabelo preto e jovens, analistas acreditam que a preferência por mulheres com essas características tinha ligação com a relação de Ted com sua mãe biológica que por anos de sua vida era tida como a irmã que o forçou a se mudar para longe dos seus pais (seus avós maternos).
Em suas abordagens, Ted que era considerado bastante charmoso e educado enganava as mulheres dizendo precisar de ajuda como se estivesse machucado e necessitando de auxílio para levar objetos ao seu carro e por conta da simpatia ele conseguia fazer com que as vítimas acreditassem. Ao chegarem próximas ao veículo Ted agredia as mulheres no intuito de deixa-las desacordadas. A maioria das suas vítimas era estrangulada, golpeada na cabeça e após o óbito Bundy abusadas sexualmente.
Foram registrados inúmeros desaparecimentos de jovens mulheres entre 1974 até 1978 em diferentes estados, por onde Ted passava instalava o medo, mulheres não andavam mais sozinhas diante dos inúmeros registros de outras que saíram de suas casas e nunca mais retornaram. Os crimes não eram correlacionados ainda devido à falta de corpos e pelo fato de ocorrerem em cidades e estados diferentes até o momento em que o cemitério de ossos feito por Ted Bundy foi descoberto. O local em meio a mata fechada só foi encontrado porque um grupo de estudantes estava passeando pelo local até se depararem com um esqueleto humano.
A polícia identificou todos os corpos e começaram a ligar os crimes, só assim surgiu a suposição que se tratava de um assassino em série ainda sem identificação, as poucas pistas existentes e a falta de tecnologia e recursos dificultaram a caçada por Bundy. A reviravolta começou quando Ted em um sequestro acabou lutando com uma jovem que conseguiu fugir e denuncia-lo. Mesmo com uma testemunha em peso, algumas pistas do carro e do suposto nome do assassino a polícia não obteve êxito e as inúmeras famílias que tiveram seus lares devastados com a perda de um ente seguiam sem justiça.
Após dados divulgados com características fortes do assassino em série de mulheres, inúmeras denúncias foram feitas alegando terem visto suspeitos parecidos por inúmeras redondezas do país. O que mais intriga é o fato que a ex de Ted, Elizabeth Kloepfer, chegou a ligar e denunciar Bundy para o polícia por achar parecido com o retrato falado e por estranhar as mudanças repentinas, contudo, por conta da gama de denúncias e da falta de recursos dos anos 70, pouco foi feito de tal denúncia. Assim, Ted Bundy seguia praticando suas brutalidades e vivendo como um cidadão comum em meio a sociedade.

· Condenação
Ted Bundy foi preso por acaso após fugir de uma blitz em 1975, quando detido ainda não se imaginava se tratar do serial killer que havia tirado a vida de inúmeras mulheres, mas após aprenderem seu carro notaram os objetos estranhos que o suspeito carregava e assim abriu-se uma investigação para saber mais sobre Ted Bundy. Foi aí que começaram a ligar Ted às cenas de crime, em todos os locais registrados com o desaparecimento das inúmeras jovens haviam registros da passagem de Bundy por lá.
Assim que começaram a juntar pistas sólidas, a vítima de sequestro de Bundy que conseguiu fugir e denuncia-lo reconheceu o criminoso e deu-se início ao julgamento em Utah. Os detetives de todos os estados em que havia registros dos crimes se reuniram pra as acusações. Mesmo com todas os indícios ainda havia pessoas que desacreditavam que Ted Bundy seria capaz de ter feito tudo aquilo pela vida que ele levava no dia a dia.
Como estudante de direito, Ted recusou o júri popular e decidiu se representar sem a presença de advogado em seu julgamento que ele alegava ser inocente. Ted saía do presídio para ir até a biblioteca estudar a defesa do seu caso e em um dia dessas visitas no ano de 1977, por conta de falhas na vigilância, Ted Bundy conseguiu fugir e permaneceu sete dias foragido até ser preso novamente. Ted foi transferido para responder pelos crimes de outro estado e nessa nova penitenciária o criminoso conseguiu fugir pelo buraco no teto após uma perda drástica de peso.
Foram cerca de 60 dias foragidos e com passagem por outros estados, nesse período de tempo Ted voltou a fazer novas vítimas. Em 1978 ele invadiu uma fraternidade e matou de forma brutal quatro jovens que estavam dormindo e foi aí que o FBI entrou em ação e colocou Ted Bundy na lista dos mais procurados do país.
A polícia prendeu o assassino novamente após se recusar a encostar o carro e aos mostrar os documentos foi preso com reluta por estar em um carro roubado e com identidade falsa. Ainda não haviam reconhecido o serial killer que é bastante descrito pela facilidade que o mesmo tinha para mudar de aparência. Em 1979 começou o julgamento na Flórida, Ted foi acusado pelos crimes cometidos na fraternidade após examinar a marca de mordida deixada em um dos corpos que batiam com a arcada dentária do criminoso.
Ted Bundy tentou alegar insanidade em sua defesa, mas não adiantou. O serial killer se tornou um dos principais assuntos da impressa da época, milhares de americanos acompanhava cada novidade do caso, alimentando o ego e o narcisismo do assassino. Assim, após várias deliberações Theodore Bundy foi condenado à pena de morte e sua execução ocorreu 10 anos depois em 24 de janeiro de 1989 em uma cadeira elétrica acionada por uma mulher.

Bundy FLA 8179 Ted Bundy mug shot
Florida Department of Corrections, Public domain, via Wikimedia Commons

· Curiosidades
– Os dez anos passados no corredor da morte não foram pacatos. Ted foi um dos prisioneiros que mais receberam cartas de admiradoras, os inúmeros crimes brutais contra mulheres não anularam o charme do assassino que enquanto estava em julgamento ficou noivo e engravidou sua companheira em uma das visitas conjugais.
– O paradeiro da mãe e a identidade da criança foram mantidos em sigilos.
– No dia de ser executado, uma plateia de cerca de duas mil pessoas se reuniu em frente do presídio para comemorar o fim da vida de um dos grandes assassinos em série dos Estados Unidos e mesmo mais de trinta anos após sua morte, a história de Ted Bundy ainda é comentada e causa intriga.
– O serial killer condenado pela morte de 36 mulheres é suspeito de ter matado mais de 60 e sua história é retratada em filmes e documentários disponíveis na internet.

TedBundyincustody
State Archives of Florida, Florida Memory